Actores encostados ao muro pedem para ser fuzilados em cena

941293

Muro
Palmilha Dentada
TNSJ, 17 de Junho, 21h

Nos dias que antecederam esta estreia, os Palmilha Dentada fizeram constar entre os seus seguidores que o cenário do espectáculo era feito de lixo. Lixo no palco de um Teatro Nacional?

Na verdade, o muro em cena, que é tomado nas suas várias acepções e usado das mais diversas maneiras, numa sequência de sketches sem aparente relação causal, mas associados pelo mesmo tema, foi feito de placas sem uso, das quais tinham sido antes recortadas peças para construir bonecos.

O trabalho de depreciação própria dos quatro membros da Palmilha não é inocente nem despropositado. Numa altura em que as várias espécies de artes do palco — com as respectivas visões da cena — se encontram em processo de extinção, iniciado nas autárquicas de 2001 e acelerado por sucessivos governos, a coisa mais democrática que se pode fazer é mostrar as onze varas da camisa em que estão metidos músicos, actores, bailarinos e demais profissionais das artes em Portugal. Afinal, são as mesmas varas em que está a maior parte das pessoas comuns.

Não é um tratado de vitimologia, mas antes um exercício de estranhamento, cada vez mais intenso, destinado a pôr em causa os muros que se erguem, literal e metaforicamente, nas mais variadas situações, incluindo, lá está, o teatro, lugar real para onde os espectadores estão constantemente a ser trazidos. Não há muro que resista ao martelo do pensamento. Para pôr a relação entre palco e plateia em causa, a Palmilha começa por mudar as personagens a cada passo, cada vez que começa uma nova cena, fazendo uma revisão dos vários estilos de teatro que se podem ver no Porto, cotejada com as suas próprias modalidades de espectáculo. Não satisfeitos, mudam também o estatuto e papel social convencionalmente atribuídos a actores e espectadores, até conduzirem o público para o lugar de membros de um pelotão de fuzilamento. De cena em cena, de ilusão em ilusão, os muros vão sendo construídos e deitados abaixo. A decisão de reerguê-los fica com os espectadores, que, na cena final, podem escolher matar ou não os actores, isto é, decidir se eles são ou não são lixo.

Não à toa, a peça sai fora das classificações de bom senso, bom gosto e bom tom, useiras na vida mental das metrópoles, que presidem à organização da estética teatral um pouco por todo o lado, e para as quais parece não haver alternativa. O trabalho resiste a ser comparado a qualquer outra coisa senão um espectáculo da Palmilha Dentada, onde o espírito de contradição está mais vivo do que nunca. A crítica a qualquer regime nas artes ganha força por ser feita num dos principais teatros públicos. Se há lugares de liberdade e democracia hoje, que os há, um deles é o TNSJ.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: