Doze anos crítico

Minefield-3

Campo Minado, de Lola Arias

Termina aqui a minha ação enquanto crítico teatral do PÚBLICO. Quando comecei, em 2005, escrevia uma crítica por mês, sobre espectáculos do Porto. Em Lisboa, havia mais duas pessoas a fazer crítica teatral. No Diário de Notícias e no Expresso havia textos todas as semanas. Hoje, só a Time Out Lisboa e o Jornal de Letras publicam regularmente. Na rádio e na televisão, na imprensa diária e semanal, nada.

Durante mais de uma década, conciliei a escrita de críticas e a escrita de peças, fazendo críticas no Porto e criando espectáculos em Coimbra. Esse tipo de exercício pontual foi possível porque havia várias pessoas a escrever crítica. E foi necessário porque os jornais consideraram dispensáveis os críticos a tempo inteiro. Mas, desde 2015, à medida que os colegas foram deixando de assinar críticas na imprensa, tornei-me o crítico de teatro que estava há mais tempo no ofício. A responsabilidade perante o público de teatro tornou-se maior. A dificuldade em cumprir essa missão também. Pode uma única pessoa — seja em nome do PÚBLICO, seja em nome da imprensa, seja em nome do teatro — dar conta da produção teatral de um país? Eu preferia que houvesse mais gente a escrever, em vários jornais, programas ou sites, viajando pelo país inteiro sem depender de ninguém.

Quando assumi o papel de crítico teatral, imaginei uma comunidade de debate onde o teatro era não tanto um espelho que reflectia a sociedade, mas mais um martelo que forjava a realidade. Essa comunidade parece que se desvaneceu com o tempo. Aquele debate que eu imaginara revelou-se afinal, ao fim de uma dúzia de anos, um diálogo esparso. A crítica hoje é feita nas trincheiras digitais das redes sociais, ao sabor do escândalo e da sensação. O crítico convencional não passa de um sniper a quem ninguém disse que a guerra acabou. Só é sniper quem quer.

Mas não é só isso. O desinteresse é geral. Mesmo as experiências teatrais mais premiadas e reconhecidas desse tempo foram apresentadas demasiado poucas vezes, para demasiado poucas pessoas. Como lutar contra isso?

O sonho do teatro como um facto social amplo, popular, participado, como vejo que existe, por exemplo, em Berlim ou em Buenos Aires, parece-me cada vez mais distante. Ao contrário, tenho um pesadelo, em que o teatro está isolado, não desperta o interesse dos cidadãos, e não tem autonomia em relação a governos, câmaras, televisões, rádios e jornais. As artes estão submetidas aos processos de gestão, marketing, relações públicas e propaganda eleitoral, accionados dentro da própria administração pública, que servem os ideais da elite nacional. Neste pesadelo, há um cartaz de espectáculos em perpétua mudança, peças que nunca chegam a ser vistas, e muito menos debatidas; encenações celebradas por muitos como se fossem amadas por todos; espectáculos cujo acto único, dos bastidores à boca de cena, é a coroação do herói, seja ele o artista, o príncipe, o candidato.

A imprensa faz parte do espectáculo. Os artistas do teatro independente tiveram como sucessores os directores de salas de espectáculos. Os jornalistas viram suceder-lhes as agências de comunicação. O formato das críticas está vazado, posto que foi ao serviço de tudo menos do teatro. A alternativa é acordar.

O teatro tem como primeiro e último reduto a cena. Há festivais, teatros e artistas que trabalham contra os ventos. É preciso estar entre eles, dentro de cena, lutando com as armas da ficção e da actuação para impedir que as salas de teatro fechem. O resto não é preciso — ou é? Ora, despeço-me do lugar da crítica, leitores reais e imaginários, para dar a vez a outros. Temos encontro marcado, para mais tarde, nas plateias e nos palcos desses teatros.

Arte Revolucionária Amada

esta680_96995065257a0d477401e5

Fui ver Esta é a minha cidade, do Teatro do Vestido, no último dia, um sábado em que a avenida da Liberdade e as ruas em redor dela onde o espectáculo decorre estavam à pinha de turistas e não-turistas, carros de som e carros com o som aos berros, DJs nas praças e despedidas de solteiro em cada esquina. O melhor (bom, talvez não exactamente o melhor, mas pelo menos uma das melhores coisas) do espectáculo é a tensão permanente com este mundo ruidoso de sábado à noite na avenida: às vezes não se consegue ouvir bem o que os atores dizem, às vezes não se consegue passar entre os carros, às vezes os transeuntes interferem, etc.

A própria ideia de peça teatral como uma coisa definida é posta em causa. A concentração pedida quer aos intérpretes, para actuarem, quer aos espectadores, para assistirem, está constantemente em risco de se perder. O que fica à vista são os aspectos do trabalho artístico que se prendem não apenas com a verosimilhança da ficção, a visão de mundo do autor ou a autonomia da linguagem e suas regras, mas também com coisas mais prosaicas como conhecer as ruas, entrevistar as pessoas, escolher palavras e decorar texto, manter o corpo aquecido. O domínio destes aspectos permite que a peça seja reconstituída diariamente e é nesse domínio que reside a sua arte, afinal.

Ao longo da noite, cada ator repete sete vezes a sua função de 15-20 minutos. Enquanto a cena no Parque Mayer expõe a vazia grandiosidade do Capitólio, renovado mas sem uso, o epílogo no salão nobre do Teatro Nacional, com a planta da cidade desenhada no chão, afirma a ambição de criar uma relação directa com as ruas e a vida dos lisboetas.

Esta (não) é a minha cidade

Em muitas das cenas há referências à prostituição naquela zona da cidade, que culminam com uma frase da cena na rua de S. José: — “Na Lisboa prostituida, porque as cidades também se prostituem, não são só as pessoas…” Uma das atrizes, pelo menos, já chegou a ser confundida com uma profissional, enquanto esperava a chegada do seu grupo de espectadores. Um carro de alta cilindrada aproximou-se, o vidro baixou como nos filmes, e de lá dentro, a voz de um homem perguntou: — “Trabajas?” O assistente de cena aproximou-se para salvar a atriz, mas ela ainda teve de responder: — “No.” A ironia desta anedota de bastidores é que a atriz estava, de facto, a trabalhar.

457059

O tema da equivalência entre trabalhadores do sexo e trabalhadores do palco não é novidade. Mas neste dia, por coincidência, aproveitei para ver a exposição Paisagem e Povoamento, no Museu Nacional de Etnologia, onde (entre muitas outras coisas dignas de nota, em especial sobre a articulação entre popular, tradicional, moderno e erudito nas artes em Portugal, que ora ficarão por dizer) estava expostas algumas das fotos de Posto de trabalho, a série de Valter Vinagre sobre, simplificando, prostituição de estrada. Deste projecto faz parte um monólogo de Jaime Rocha, “A culpa não foi minha”. É como se estes dois tipos de trabalhadores, igualmente abandonados à sua sorte, partilhassem os destinos de modo mais profundo do que o glamour normalmente trocado entre uns e outros. De facto, o trabalho corporal, repetitivo, sem ilusões, de profissionais que não são reconhecidos, mas, pelo contrário, descartáveis, une atores, atrizes, prostitutos e prostitutas. As cabanas de improviso retratadas com luz teatral por Valter Vinagre e os atores sem abrigo postos em campo pelo Teatro do Vestido são as imagens que melhor reproduzem Portugal do Séc. XXI. Felizmente, são também atos de combate, a Ação Revolucionária Armada das artes.

Estas são as nossas cidades

Se a este espectáculo juntarmos os retratos das versões do Porto e de Viseu (as outras localidades onde este projecto já foi feito), Joana Craveiro tem na sua posse uma dezena ou mais de monólogos sobre cidades em perpétuo movimento que formam um painel dos nossos tempos. Não serão equivalentes aos painéis de São Vicente, porque estes textos teatrais foram feitos para ser corporizados e porque os sujeitos recriados pelos atores não pertencem aos mais altos escalões da hierarquia social. Aliás, os retratos desta montagem são precisamente das pessoas e casas que estão de fora do toque de Midas do turismo de Lisboa. Mas é um conjunto singular, cuja forma devolve a quem quer que a veja uma reflexão profunda sobre os destinos individuais e coletivos dos habitantes de Lisboa, Porto e Viseu. (Nestes dois primeiros conjuntos, o amor é clandestino e luminoso porque a urbe é sombria, mas as sombras compõem a esperança. No último conjunto, o amor é o único refúgio na cidade ocupada pelo brilho das divisas estrangeiras.)

O toque de Midas

Quem não ficou de fora do toque de Midas do turismo foi o Palácio da Ajuda, cuja conclusão permitirá guardar e expor as jóias nacionais em duas caixas-fortes criadas para o efeito. (É sempre emocionante ler a palavra “caixa-forte” nos jornais porque de repente é como se vivêssemos em Patopólis, onde o Tio Patinhas dava mergulhos no mar de dinheiro da sua própria caixa-forte.) Mesmo assim, ainda há quem considere que é um projecto low-cost. Também não ficou de fora do toque de Midas a aquisição do retrato de D. João V para o Museu Nacional de Arte Antiga, com o que sobrou da coleta para comprar a Adoração dos Reis Magos.

A coincidência de estes projectos e anúncios de investimento serem para objectos directamente ligados a reis, coroas, ouro, etc. — num país onde o património dos Coches já custou uma fatia desproporcionada do orçamento para a Cultura (que devia ser dez vezes maior para pelo menos não envergonhar os cidadãos eleitores) — só torna mais dolorosa a cena em que, no espectáculo do Vestido, são mostradas imagens da visita da monarca inglesa a Portugal, em 1957. Estas personagens do Vestido são plebeias até ao tutano. Não haverá política cultural em Portugal que não seja elitista? A arte só retrata o poder? Vivemos num país de Gatas Borralheiras que julgam ser Cinderelas, subindo para coches que são carros de alta cilindrada?

Rainhas

Neste sábado, a principal fonte da cena do Parque Mayer foi ver essa parte. Trata-se de uma saudosa celebridade do teatro de revista, que assistiu deliciada ao desfiar da mistura de episódios reais com relatos fictícios feita por Ainhoa Vidal e Joana Craveiro. Foi um momento especial, em que a ligação daqueles teatros semi-abandonados do Parque Mayer com o próprio Teatro Nacional (o mesmo de Passa por mim no Rossio e de Tropa Fandanga, aliás), se materializou na ligação entre as três artistas, mediada pela ficção e pela memória, mas também pela invasão e presença.

No fim do ano, o Vestido montará, em co-produção com o São Luiz, em frente ao antigo edifício da PIDE, agora um condomínio de luxo, os “materiais, matérias, interrogações e ideias de Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas“. À sombra da antiga Real Barraca, como foi chamado o edifício que antecedeu o Palácio da Ajuda, estão, mais abaixo, no Museu de Etnologia, as pequenas barracas das fotos de Valter Vinagre (e resto da exposição sobre os inquéritos ao território). O eixo que vai do Parque Mayer ao Nacional e até ao Trindade e ao São Luiz está debaixo do fogo gourmetizador, mas não será para sempre.

 

Teatro pós-popular experimental

23 MAQRCO 2015 - PORTO - CASA VAGA TEP TEATRO RIVOLI

A baixa literatura — romances de cordel e livrinhos de cóbois — está na base de duas peças em cena este fim-de-semana no Porto, Cordel, de José Carretas e Amélia Lopes, no TNSJ, e Casa Vaga, de Rui Pina Coelho, no Campo Alegre. Sou parceiro deles em alguns projectos, por isso a minha opinião é suspeita (o costume), mas estes trabalhos casam muito bem a forma com a matéria. O texto e a encenação de Cordel são exemplarmente construídos para tratar os assuntos em causa — casos de amor, ódio, doença, infortúnio, coragem, terror, todos extremos. Além disso, as ferramentas teatrais são usadas com domínio total, provadas pela auto-consciência do texto e auto-ironia dos atores. (Leiam o programa.)

Casa Vaga, por sua vez, usa as convenções do western para expor a conquista do Oeste norte-americano como uma grande empresa capitalista, o que de facto está embutido no género em causa, torcendo a forma ao ponto de a aportuguesar radicalmente e pondo os espectadores nacionais em frente ao espelho. É assim o teatro popular, ou o que está a ser feito depois dele.

Não me vou alongar muito mais sobre Casa Vaga porque há uma excelente crítica de teatro escrita por Amarílis Felizes, na Vírus 7, por ocasião da estreia do espectáculo. Dou cinco estrelas a esta crítica, mas sou suspeito, de novo, entre outras coisas porque hoje, 23 de Setembro, data em que escrevo esta nota, é o aniversário da articulista. Parabéns!

Para a semana (29 de Setembro) estreia outra peça que promete e da qual também sou suspeito para falar, uma vez que já o fiz no programa impresso que será distribuído ao público. Trata-se de Bácoro, da Palmilha Dentada, no TeCA. Recomendo vivamente, aliás como tudo que eles façam, a solo ou em grupo. No mesmo dia, Hélder Guimarães estreia Verso na Broadway, ou coisa que o valha, um espectáculo encenado por Rodrigo Santos, com luz de Pedro Vieira de Carvalho, cúmplices habituais da Palmilha, cuja primeira versão foi feita no Teatro do Bolhão. Como o Hélder e o Rodrigo fizeram um espectáculo chamado Maratona de Nova Iorque quando eu fui diretor do Teatro Oficina, em Guimarães, e realmente suaram as estopinhas, sou suspeitíssimo. Mas eles são campeões, em cena e fora dela, por isso espero que passe a recomendação.

Por falar em Guimarães, um dia depois, no CCVF, estreia Força Humana, uma ressaca de Os Lusíadas, como António Fonseca e José Neves. Sou muito suspeito para falar tanto do CCVF quanto do Força Humana, e por razões opostas. O que faço? Calo-me? (Em francês:) Jamais!

Genet, nas Leituras, Na Colónia Penal

Jean Genet l_460-252

Recomeçam na terça, 20, às 21h, as Leituras no Mosteiro, com Genet à cabeça. Dizem:

Colónia Penal conduz-nos a um lugar concentracionário, onde Jean Genet anima, com humor e sarcasmo, uma sociedade de excluídos, guardas e prisioneiros, todos eles malévolos e retorcidos, todos eles lúcidos e alienados pelos seus sonhos. Peça de um só fôlego, sem atos nem cenas, haveria de permanecer inacabada, tendo sido abandonada pelo autor em 1964, depois de nela ter depositado grandes expectativas: “Vai ser a minha melhor peça. Precipito-me nela todo inteiro.” Ao escrevê-la, Genet empreendia uma viagem de regresso a si mesmo, ensaiando uma reconstituição do universo prisional, verdadeiro santuário do seu imaginário. Fátima Ferreira e Luís Lima Barreto, autores da tradução inédita que vamos ler, são os convidados especiais desta sessão, a primeira dedicada a Jean Genet, o dramaturgo em residência nas Leituras no Mosteiro até meados do mês de novembro.

Relatório e contas, Ruy Belo

Ruy Belo 70's_3

Setembro é o teu mês, homem da tarde
anunciada em folhas como uma ameaça
Ninguém morreu ainda e tudo treme já
Ventos e chuvas rondam pelos côncavos dos céus
e brilhas como quem no próprio brilho se consome
Tens retiradas hábeis, sabes como
a maçã se arredonda e se rebola à volta do que a rói
Há uvas há o trigo e o búzio da azeitona asperge em leque o som [inabalável
nos leves ondulados e restritos renques das mais longínquas oliveiras [conhecidas
Poisas sólidos pés sobre tantas traições e no entanto foste jovem
e tinhas quem sinceramente acreditasse em ti
A consciência mói-te mais que uma doença
reúnes em redor da casa equilibrada restos de rebanhos
e voltas entre estevas pelos múltiplos caminhos
Há fumos névoas noites coisas que se elevam e dispersam
regressas como quem dependurado cai da sua podridão de pomo
Reconheces o teu terrível nome as rugas do teu riso
começam já então a retalhar-te a cara
Despedias poentes por diversos pontos realmente
És aquele que no maior número possível de palavras nada disse
Comprazes-te contigo quando o próprio sol
desce sobre o teu pátio e passa tantas mãos na pele dos rostos que [tiveste
Repara: não esbarras já contra a cor amarela?
Setembro na verdade é mês para voltar
Podes tentar ainda alguns expedientes respeitáveis
multiplicar diversas diligências nos ameaçados cumes dos outeiros
ser e não ser fugir do rótulo aceitar e esquivar o nome fixo
E no entanto é inevitável: a temperatura descerá mais dia menos dia
Calas-te então cumprido como um rosto e puxas toda a tarde
sobre esse corpo que se estende e jaz
Andaste de lugar para lugar e deste o dito por não dito
mas todos toda a vida teus credores saberão onde encontrar-te
pois passarás a estar nalguma parte
Tens domicílio ali que a terra sobe levemente
e toda a tua boca ambiciosa sabe e sente quanto barro encerra

Ruy Belo

 

Jorge Andrade, actor português, cria moeda própria em Moçambique

Este Moçambique, escrito e dirigido por Jorge Andrade, faz no teatro português o que o projecto Batida, de Pedro Coquenão, faz na música, augurando um tempo e um espaço cada vez mais descolonizados para as artes portuguesas, no meio de tanta tralha imperialista, vestida com pele de cordeiro, que nos vai entrando casa dentro ou ocupando a cena. O projecto é politicamente carregado, mas sem que a autonomia das formas e do jogo sejam postas em causa. Pelo contrário, é na brincadeira com as convenções teatrais e narrativas que a Mala Voadora, como sempre, encontra a libertação de qualquer jugo, estético ou político.

O ponto de vista explícito da narração é o do próprio Jorge Andrade, que se propõe apresentar ao público a fantasia de um país pessoal, a partir de uma memória de infância, que seria um território de aventura capitalista, e cruzando-o com factos históricos, primeiro, e com as necessidades do melodrama, por outro. Desse cruzamento sai uma comédia iconoclasta, cheio de truques teatrais para dar conta do movimento múltiplo e contraditório que se pretende capturar.

Não vou revelar o enredo farsesco, para não estragar as várias reviravoltas da peça. No texto, é inventada uma história alternativa, ou contrafactual, de um português e um Moçambique especiais. Os episódios dessa história são postos em causa por uma trupe pós-(mas mesmo pós-)colonial, cujas nacionalidades e pronúncias desmontam qualquer racialismo. Dessas pequenas crises é feito o fio condutor do espectáculo, que avança de contradição em contradição, de cada vez negando a cena anterior, às vezes repetindo-a e levando-a por outro caminho, e termina voltando ao princípio, que é também negado, por sua vez, tal como é negado, no fim de tudo, o pressuposto fictício em que assenta o espectáculo inteiro.

Um outro homem, um mesmo país

O labirinto de cenas aparentemente iguais umas às outras, mas ligeiramente diferentes, vai montando uma realidade própria em cena. O espelhamento — triplo ou quádruplo — entre as pessoas reais, os papéis teatrais, e os segundos ou terceiros papéis teatrais (alternativas fictícias às pessoas e aos papéis iniciais), criam uma espiral que sustenta no vazio essa mesma realidade cénica. A Mala Voadora consegue fazer ao mesmo tempo e no mesmo lugar uma mistura entre mise-en-abyme e trompe-l’oeil, o que, como se vê pela necessidade de utilização de expressões afrancesadas, só pode ser bom. Mas se o tema é a imaginação da comunidade nacional moçambicana e o debate é sobre quem faz parte dessa comunidade ou não — após séculos de exploração colonial, décadas de guerra e anos de confraternização involuntária — nada melhor do que materializar o jogo da verdade e da ilusão no palco. O apuramento da linguagem do grupo é inegável. Desde o melodrama a Pirandello, passando pelas influências britânicas, a Mala Voadora criou uma divisa própria, que não desvaloriza, porque é falsa — como todas as moedas, parecem querer dizer, e eu concordo.

A peça tem um número muito discreto, quando as personagens decidem baixar o vencimento para pagar aos trabalhadores, em que uma das actrizes faz um telefonema quase às escondidas, para explicar a alguém que têm de reduzir despesas pessoais. É o equivalente do número sério da revista, mas feito para lá da cortina. Estou certo que muita gente da plateia se reconheceu nesse acto de apertar o cinto que é telefonar para o esposo ou o filho e dizer que “não vai dar”. Quem diz o familiar, diz o profissional das artes do espectáculo a quem o produtor telefona por causa do cachet, das ajudas de custo, do recibo verde ou da segurança social.

O espectáculo não é apenas sobre a memória — fictícia ou não — de Moçambique, mas também, ou sobretudo, sobre a dimensão paralela dessa memória, que é o tempo actual em Portugal, feito de precariedade e esforço inglório, compensado com muito sorriso amarelo, muita ironia e muita lantejoula brilhante. Senão, vejamos: a produção desta obra singular, que resulta do esforço de dezenas de pessoas e tem a ambição de comentar os mundos de milhões delas, redundará, até ver, em cerca de uma dúzia de apresentações, pouco mais, em três cidades portuguesas. O espelho dessa frustração são os números de dança com que os actores recheiam os saltos no tempo da narrativa, usados para dar conta de reuniões com o Banco Mundial ou das negociações de paz, necessariamente fora do alcance da forma usada na peça. Enquanto as negociações prosseguem no segredo dos gabinetes, aos artistas resta dançar.

Cut, frame and border

Christiane Jatahy foi a encenadora convidada este ano para orientar a École des Maîtres — uma residência com actores de quatro países, Bélgica, Itália, França, Portugal — e o resultado foi um espectáculo-ensaio onde tudo pode acontecer. Os participantes vão improvisando a actuação conforme a encenadora lhes pede (através de minúsculos auscultadores) que sigam esta ou aquela instrução, previamente discutida, mas cuja sequência é determinada em tempo real. Aparentemente esquemático, o processo liberta a criatividade, ao obrigar os atores a tomarem decisões rapidamente, e dá-nos a ver (a eles também) soluções nunca imaginadas.

Jatahy, do Rio de Janeiro, já tinha estado em Coimbra com Julia e este ano trouxe E se elas fossem para Moscou? a Lisboa. Está a trabalhar atualmente com o Odéon e o Centquatre, em Paris. O Centro de Dramaturgia Contemporânea da Universidade de Coimbra fez uma entrevista à encenadora que ficará para a posteridade.